quarta-feira, 13 de julho de 2016

Programa da UFSCar 'adota' alunos de baixa renda com perfil para cientista

Programa Futuro Cientista acontece em escolas municipais (Foto: Divulgação/Programa Futuro Cientista)

Com o objetivo de incentivar estudantes de baixa renda a estudarem e a se tornarem cientistas e empreendedores desde o ensino fundamental, a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) criou o programa “Futuro Cientista”. Na região de Itapetininga (SP), a ação acontece em escolas municipais Pilar do Sul (SP) e Cesário Lange (SP). Já na região de Sorocaba (SP), a ação acontece em Iperó (SP) e São Roque (SP).

De acordo com a vice-diretora presidente do programa, Caroline Pavan Brandini, o "Futuro Cientista" atende alunos de escolas públicas que estejam cursando do 6º ao 9º ano do ensino fundamental e do 1º ao 3º ano do ensino médio. A ideia é proporcionar um "plano de vida" ao estudante que o ajude a ingressar em uma universidade pública e iniciar sua carreira acadêmica. Além disso, o objetivo é encontrar futuros talentos para a ciência. “Durante todo o ano, diversas ações são realizadas para a formação científica dos estudantes, como concurso de redação, maratona do conhecimento e concurso de curtas-metragens. Há também dois eventos anuais, com participação obrigatória dos alunos conveniados. O primeiro é a “Escola Preparatória para Futuros Cientistas”, onde os estudantes participam de palestras, oficinas, minicursos e desafios. O segundo é o “Encontro Regional de Futuros Cientistas”, ação no final do ano que funciona como uma Feira de Ciências, contando com apresentações e premiações dos projetos e concursos”, conta.

Ainda segundo a vice-diretora, o programa é em parceria com as escolas municipais e 20 alunos de cada série são selecionados. “Esses alunos têm que atender a quatro quesitos, como ser de baixa renda, ter bom rendimento na escola, bom comportamento e não ter envolvimento com drogas” finaliza.

'Me fez acreditar’
A ex-estudante de escola pública Isabelle Magalhães, de 18 anos, conta que conseguiu entrar para o curso de Química na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), campus de Sorocaba (SP), após ter participado do "Futuro Cientista" em Cesário Lange (SP). Na época em que prestou, o curso estava com 26 concorrentes por vaga. “O programa me motivou e me deu apoio. Me fez acreditar que seria possível fazer uma universidade federal ou pública. Antes de fazer parte do projeto, quando estava no 9º ano do ensino fundamental, pensei que só conseguiria fazer uma faculdade se eu pagasse. Talvez minha família teria a condição de pagar algum curso, mas não da mesma qualidade que eu faço agora”, conta.

Isabelle afirma que entrou para o grupo extracurricular em 2012, quando tinha apenas 14 anos e estudava na Escola Municipal André Franco Montoro. “Comecei no 9º ano do ensino fundamental e a gente se encontrava à tarde depois da escola. Conheci a fundo a área de química pelo programa. Antes queria engenharia, mas gostei da área e resolvi seguir”, diz.

Ainda de acordo com a universitária, ela conquistou a vaga após tirar 660 no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) prestado em 2015. Eram apenas 25 vagas disponíveis para o curso desejado e os 665 candidatos estavam divididos em 50% para a primeira opção e 50% como segunda opção. Para ela, é importante manter o foco. "É importante se preparar desde o começo do ano, estudando e mantendo-se atualizado sobre o que acontece no país e no mundo. Antes da prova tem que descansar bastante e durante o exame o mais relevante é a concentração: manter o foco e a calma.”


Fone: G1 Itapetininga e Região

Nenhum comentário:

Postar um comentário